Introdução ao Custo da Qualidade

Se você trabalha na área de projetos ou qualidade, muito provavelmente você já ouviu falar em custo de qualidade.

O termo foi introduzido no mundo dos negócios por Juran, um dos nomes mais citados quando o assunto é qualidade e gestão da qualidade e até hoje vem sendo aplicado nas maiores empresas do mundo.

Nesta imagem temos os tipos de custos, como internos e externos .

Investir em custo da qualidade muitas vezes pode ser necessário, mas ao contrário do que muitos pensam, quando esses custos são muito altos e fogem da normalidade, provavelmente há algo de muito errado que deve ser investigado e resolvido para que tais custos diminuam.

Você quer saber mais sobre o custo da qualidade e como fazer esse cálculo na sua empresa? Então confira o texto até o final.

Tabela de Conteúdo

O que é custo da qualidade?

O conceito de custos de qualidade foi primeiramente inserido por Joseph M. Juran no seu livro “Manual do Controle da Qualidade”, publicado em 1951.

Atualmente, o preço da qualidade é um método muito utilizado nas empresas para definir onde e qual é a quantidade de recursos de uma organização que está sendo usada para atividades de prevenção e manutenção da qualidade de um determinado produto.

Uma empresa pode optar por investir em custos iniciais de qualidade para reduzir as falhas ou pagar no final quando o defeito for descoberto pelo cliente.

As falhas no produto podem resultar em maiores custos de garantia e provavelmente em recalls de produtos (o impacto no resultado final pode ser muito pior).

Além disso, há a dificuldade em medir os custos incorridos por meio da perda de valor da marca e do possível declínio nas vendas futuras.

O método vem sendo considerado um fator primordial para tomar decisões e cada vez mais as organizações utilizam e valorizam essa abordagem.

Em síntese, o preço da qualidade é uma ferramenta de gestão da qualidade que possibilita a redução de custos e a melhoria contínua da qualidade, conseguindo mensurar e promover o sucesso das empresas.

Tipos de custo da qualidade

Com a junção dos custos para estar conforme mais os custos das não conformidades, conseguimos alcançar os custos da qualidade.

No entanto, é muito importante saber que existem diversos tipos de custos que devemos entender para que possamos calcular os custos da qualidade de modo correto.

Veja a seguir os tipos de preços da qualidade:

Custo de Prevenção (ou da conformidade)

Os custos de prevenção são todos os custos incorridos que têm como principal objetivo prevenir falhas, defeitos, anomalias e permitir que tudo saia bem conforme o que de fato foi planejado.

Esses custos estão associados às atividades de projeto, implementação e operação do sistema de gestão da qualidade (SGQ), incluindo a administração e auditoria do sistema, em todo o ciclo de produção.

Dessa forma, estes custos estão relacionados aos gastos obtidos com o propósito de se evitar a má qualidade de produtos e serviços (à medida em que estes custos aumentam, diminuem os custos com falhas, podendo então ser definido como um tipo de investimento na qualidade do produto).

Veja a seguir alguns exemplos de custos de prevenção:

  • Qualificação de processos;
  • Suporte técnico para vendedores;
  •  Manutenções preventivas;
  •  Planejamento e administração dos sistemas de qualidade;
  • Análise e aquisição de dados;
  • Desenvolvimento de planos de melhoria da qualidade;
  • Avaliação de fornecedores;
  • Treinamentos para os colaboradores;
  • Concepção de métodos para melhorar a qualidade.

Custo de Avaliação

Os custos de avaliação são os custos com o controle de qualidade desenvolvidos na identificação de componentes defeituosos antes que estes cheguem aos clientes.

São custos que estão relacionados à avaliação e auditoria de características da matéria-prima, componentes e produtos que assegurem a conformação com os padrões de qualidade definidos.

Essa metodologia checa erros ou problemas que podem acontecer durante a fabricação de um produto ou execução de um determinado serviço (para que isso ocorra são utilizadas ferramentas de controles estatísticos do processo).

De forma resumida, os custos de avaliação referem-se aos custos das atividades de inspeção (avaliação da qualidade) propriamente dita.

São alguns exemplos de custos de avaliação:

  • Custos de preparação para inspeção e teste;
  • Qualificação de fornecedores, produtos e serviços;
  • Demonstração de qualidade, relatórios de qualidade;
  • Depreciação de equipamentos de teste;
  • Inspeção da Matéria-prima;
  • Avaliação dos produtos da concorrência;
  • Auditorias de qualidade do produto;
  • Manutenção e calibração dos equipamentos de inspeção;
  • Avaliação dos produtos da concorrência;
  •  Material consumido nos testes.

Custos de Falhas Internas

Os custos de falhas internas ocorrem quando são identificados defeitos nos produtos ou falhas internas antes que cheguem até o consumidor.

São todos aqueles custos que ocorrem devido a algum erro no processo produtivo, seja um erro humano ou mecânico (se os erros forem detectados mais cedo, menores serão os custos envolvidos para corrigi-los).

São alguns exemplos de custos de falhas internas em uma organização:

  • Falhas do fornecedor;
  • Redução nos preços de venda devido aos defeitos;
  • Análise de falhas;
  • Compras não planejadas e, como consequência, custos com estoques suplementares;
  • Uso do material rejeitado para outras finalidades;
  • Tempo para analisar anomalias;
  • Tempo para determinar as ações corretivas;
  •  Horas extras para a recuperação de atrasos;
  •  Manutenção corretiva.

Custos de Falhas Externas

Os custos de falhas externas são gerados pela distribuição de produtos defeituosos aos consumidores.

As falhas externas ocasionam grandes perdas em custos intangíveis, como destruição da imagem e credibilidade da empresa.

Quanto mais tarde os erros forem identificados, maiores serão os custos envolvidos para solucioná-los.

Vale ressaltar que estes custos podem gerar perdas que normalmente são irreversíveis para a empresa.

Alguns exemplos de custos de falhas externas são:

  • Devolução de material;
  • Tempo para determinar as ações corretivas;
  • Assistência técnica fora de garantia;
  • Custos com falhas externas após garantia;
  • Tempo para analisar as anomalias;
  • Retrabalhos;
  • Desgaste da imagem da empresa;
  • Erros de marketing;
  • Treinamento as pessoas encarregadas dos reparos;
  • Administração de reclamações;
  • Vendas perdidas;
  • Estoques de peças para reparo.

Custos de Oportunidade

Os custos de oportunidade são os benefícios que uma empresa perde ou ganha por conta de uma determinada escolha realizada no momento.

Estes custos estão ligados à escolha, renúncia e escassez da empresa, podendo gerar benefícios ou malefícios.

Por isso deve ser analisado com cuidado para termos a certeza se vale a pena ou não ter um determinado custo de oportunidade.

Custos de exceder requerimentos

Os custos de exceder requerimentos são associados ao fornecimento de um produto ou serviço que excede as especificações ou cláusulas contratuais.

Um bom exemplo desse custo é quando a qualidade de concepção ou desempenho de um determinado produto excede os custos dos requerimentos iniciais.

Por que implementar o custo da qualidade?

A utilização efetiva do custo da qualidade permite que uma empresa meça a quantidade de recursos que estão sendo usados para o custo de boa e má qualidade do produto.

Através dessas informações, a empresa pode determinar o que fazer para melhorar a qualidade do produto e o seu resultado final.

Vantagens de implementar o preço da qualidade

  • Possibilita saber quanto custa para a empresa o controle dos custos que ela produz;
  • Aumenta os rendimentos e capacidade do produto;
  • Auxilia no uso adequado dos recursos de produção;
  • Aumenta a satisfação do cliente, identificando os desejos e necessidades deles;
  • Auxilia na análise do desempenho da organização;
  • Os produtos tornam-se mais vendáveis, com melhores preços, pois o custo da produção é reduzido;
  •  Melhora o desempenho de entregas;
  • Reduz os índices de erros;
  • Direcionamento da equipe de qualidade;
  • Reduz o prazo para lançamento de novos produtos no mercado;
  • As empresas tornam-se mais competitivas, pois aumentam a sua participação no mercado;
  • Alocação dos recursos para atingir os objetivos da empresa.

O caso Alpha

Neste exemplo, houve a mudança de nome para preservar a imagem da empresa.

A Alpha Company foi responsável por medir o custo da qualidade como o valor do custo de garantia versus o total de vendas (essa metodologia examinou apenas o custo da má qualidade). Os dados revelaram uma área problemática na instalação.

Nesse sentido, descobriram que a falta de peças do cliente de uma célula de trabalho estava resultando em custos de garantia de mais de R$ 400.000 em um ano.

Logo, uma equipe foi formada para investigar e realizar a Análise de Causa Raiz da escassez e um planejamento foi desenvolvido com o objetivo de desenhar de novo a célula de trabalho com o custo estimado em R$ 60.000.

Com a aprovação do gerenciamento, a célula de trabalho foi redesenhada com um layout revisado, locais dedicados para todas as peças e controles de processos foram definidos.

Diminuíram o tempo de ciclo e o número de operadores necessários para o processo e muitas outras melhorias foram implantadas com base em uma boa análise das causas que estavam gerando esses altos custos.

Logo no primeiro ano de operação a escassez diminuiu 50%, o que equivale a R$ 200.000. O impacto positivo do projeto resultou em R$ 140.000 no primeiro ano.

Desde então, a Alpha Company implementou processos para medir e diminuir a sucata, melhorando os controles de processo e introduzindo novas métricas de qualidade em toda a empresa.

Como mensurar o custo da qualidade?

Neste gráfico, temos o que é o custo de boa qualidade e o de má

É possível calcular o preço da qualidade de diversas maneiras e cada empresa costuma adotar o método que é melhor para o seu modelo de negócio.

Muitas empresas costumam calcular o preço de qualidade calculando o total de dinheiro que foi gasto em garantia como porcentagem de vendas. Esse tipo de cálculo não é um dos mais indicados, pois ele não analisa os custos internos.

Para conseguir melhores resultados no cálculo do preço da qualidade, é necessário examinar de forma mais ampla todos os custos da qualidade que incorrem na organização.

Custo da boa qualidade

Os custos da boa qualidade são todos aqueles custos que colaboram para a melhora da qualidade do produto final.

Os custos de prevenção e custos de avaliação são exemplos de custos que geram um aumento da qualidade.

Custo da má qualidade

Já o custo da má qualidade são os custos que estão associados aos defeitos encontrados no produto antes ou até mesmo depois do produto chegar ao consumidor final.

Custos decorrentes de falhas internas e externas são definidos como custo da má qualidade.

Equação do custo da qualidade

A equação do preço da qualidade é composta por todos os tipos de custos encontrados em um processo.

A equação pode ser definida como a soma do custo da boa qualidade e da má qualidade.

O custo da boa qualidade consiste na soma dos custos de prevenção e avaliação. Já o custo da má qualidade é o resultado da soma dos custos de falhas internas e externas.

Dessa forma, podemos resumir a equação como:

Custo da qualidade =  CP + CA + CFI + CFE

Onde:

CP = Custo de Prevenção

CA = Custo de Avaliação

CFI = Custo de Falhas Internas

CFE – Custo de Falhas Externas

Podemos perceber claramente que essa equação não é do tipo linear, ou seja, isso significa que quando realizamos o investimento no custo da boa qualidade não significa necessariamente que o custo geral da qualidade irá subir.

Para que a qualidade geral suba é necessário agirmos certo ao realizar os nossos investimentos, pois eles devem ser realizados nas áreas certas para que o preço da qualidade diminua.

Além disso, ações de detecções de erros no processo, como é o caso das ferramentas Lean Six Sigma, ajudam a diminuir os custos com a qualidade.

QFD – Quality Function Deployment

Quando o assunto é qualidade, o QFD não pode ser deixado de fora.

Ele é uma matriz utilizada para identificar e aplicar os melhores métodos de qualidade no desenvolvimento e fabricação de um produto ou até mesmo prestação de serviço.

Por meio dele conseguimos definir as necessidades dos clientes em conjunto com os requisitos técnicos.

Além disso, por nos ajudar a estruturar um planejamento mais eficiente na criação de melhores produtos ou processos, conseguimos visualizar e mensurar de modo mais claro os preços da qualidade.

Portanto…

O custo da qualidade quando se refere aos bons custos podem ser comparados aos bons investimentos, pois por meio deles estamos gerando melhores produtos ou serviços para o nosso cliente.

Além disso, é essencial entendermos como calcular os custos de qualidade e como podemos defini-los de forma correta, pois dessa forma conseguimos focar no que realmente importa, dando atenção à voz do cliente e aumentando a competitividade da nossa empresa no mercado.

Comente

Seu endereço de e-mail não será publicado.