Os dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) indicam que há mais de 600 milhões de pessoas no mundo com alguma deficiência. Diante desse cenário, como incluir uma PcD no ambiente de trabalho?

Cada vez mais as empresas têm compreendido o papel que essas pessoas podem cumprir dentro de suas organizações.

Desse modo, esta é uma medida inclusiva que consegue trazer benefícios a todos, além de integrar a corporação ao que impõe a legislação brasileira.

Você sabe exatamente o que é uma PcD? Sabe como incluí-la no seu ambiente de trabalho?

E qual a porcentagem que sua organização deve contratar para o seu porte? Para saber isso e muito mais, siga lendo!

Tabela de Conteúdo

O que é a inclusão de uma PcD no ambiente de trabalho?

PcD no ambiente de trabalho

A lei para a inclusão de pessoas com deficiência (PcD) está em vigor no Brasil desde 1991, e determina que companhias com mais de 100 funcionários devem ter de 2% a 5% da equipe composta por pessoas com deficiência.

Já em 2015, foi sancionada a Lei Nº 13.146. É ela que regulamenta o direito ao trabalho da PcD, e a cada ano nota-se um crescimento no número de empresas que estão se adequando à nova legislação, percebendo a importância de torná-las membros da equipe.

Em seu artigo 1º, a referida Lei já traz a sua finalidade:

Art. 1º É instituída a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência), destinada a assegurar e a promover, em condições de igualdade, o exercício dos direitos e das liberdades fundamentais por pessoa com deficiência, visando à sua inclusão social e cidadania.

Ou seja, perceba que incluir uma PcD no ambiente de trabalho significa estar de acordo com esses parâmetros. Sendo assim, entende-se que uma pessoa com deficiência é aquela que tem algum tipo de impedimento de longo prazo.

Então, com relação a estes impedimentos, eles podem ter diferentes naturezas. Isto é, as deficiências podem ser sensoriais (como cegueira e mudez), física (sem o desenvolvimento completo de um membro, por exemplo), mental e intelectual, sendo essas duas últimas as limitações de atividades que envolvem raciocínio.

Além de inspirar os outros profissionais, a PcD traz motivação ao ambiente corporativo, mostrando ser possível superar desafios através da determinação. Isso também gera valor a instituição, que valida a visão de uma sociedade mais justa e igualitária.

Portanto, incluir pessoas com deficiência acaba sendo beneficioso para todas as partes. Assim como essas pessoas necessitam de oportunidades e podem ter habilidades que contribuem com a empresa, as próprias organizações podem ganhar também.

O que diz a legislação sobre a contratação de PcDs?

Pois bem, acima você deve ter notado que há algumas leis que versam sobre como incluir uma PcD no ambiente de trabalho, certo? De fato, esses documentos são amplos, e falam sobre a obrigatoriedade da contratação.

Primeiramente, saiba que existe uma obrigatoriedade de contratação progressivo caso a sua empresa tenha mais de 100 empregados.

Sendo assim, algo que é importante salientar é que a proporção também muda de acordo com o número de colaboradores.

Então, para empresas que tenham de 101 a 200, o número de PCDs deve ser de 2% desse total. Para organizações que tenham 201 a 500 empregados, deve ser de 3%.

Para as que têm de 501 a 1000, o número é de 4%. Já para as que possuem mais de 1000 colaboradores, o total deve ser de 5%.

Desse modo, é importante estar atento a esses limites mínimos e ao cálculo do que representa para o seu negócio. Como você vai ver a seguir, existem cuidados também para o processo seletivo, com sujeição a punições se não forem cumpridos.

Dicas para incorporar PcD no seu ambiente de trabalho

PcD no ambiente de trabalho

Em relação ao processo seletivo, existem alguns cuidados que devem ser tomados para incluir uma PcD no ambiente de trabalho.

Assim, deve ser feita, por exemplo, uma seleção igualitária, que se adeque apenas em função da deficiência apresentada, competência para a função, capacidade de exercício da atividade, e o cuidado ao exigir experiência anterior.

Há diversas medidas que devem ser tomadas para que a inclusão de PcDs seja um grande sucesso. O importante é sempre criar um ambiente acolhedor, seguro e esclarecedor para todos os colaboradores, aproveitando assim as habilidades e competências do grupo, respeitando suas limitações.

Vale ressaltar que existem penalidades fiscais previstas em lei para instituições que não cumprem a legislação relativa à inclusão.

Por isso, temos diversos cursos e treinamentos voltados para gerenciamento de pessoas que visam preparar profissionais da área a elaborar estratégias precisas para a inserção de PcDs em seu quadro de colaboradores.

Para que este processo ocorra, a companhia deve passar por algumas adequações para estar devidamente estruturada.

Então, separamos algumas dicas para incluir as PcDs ao quadro de funcionários e ajudar no desenvolvimento dele:

1. Prepare e estimule os funcionários

Para que o ingresso de pessoas com deficiência seja efetivo, é necessário contar com todos os colaboradores.

Portanto, eles devem ser orientados a serem solidários aos novos colegas, saber ensinar, partilhar e ter paciência com as suas limitações.

Além disso, devem ser coibidos tratamentos pejorativos, preconceito, ou qualquer categoria de exclusão não devem ser admitidos pela instituição. Dessa forma, contatar o RH da empresa costuma ser uma medida efetiva, e que ajuda a educar os demais empregados.

2. Verifique a acessibilidade dos ambientes internos e externos

É necessário que não só  a companhia esteja preparada para receber os novos colaboradores, mas que a PcD tenha condições de chegar ao local.

Ou seja, a acessibilidade deve ser pensada com uma visão integral, considerando todos os aspectos de uma inclusão eficaz.

Sendo assim, pense em todas as dimensões de deficiências sobre as quais falamos no início da publicação. Isto é, há pessoas que têm limitações físicas, outras mentais, intelectuais ou sensoriais.

E, naturalmente, cada uma requer um tipo diferente de adaptação.

3. Elabore um plano de carreira

A falta de perspectiva faz com que os funcionários com deficiências fiquem desmotivados, e isso leva a uma grande rotatividade entre eles. Portanto, criar oportunidades de crescimento irá incentivá-los a uma sinalização concreta de perspectivas.

Assim como faz aos outros, é interessante também oferecer treinamentos a esses profissionais. Dessa maneira eles têm a oportunidade de se capacitar e contribuir cada vez mais com a sua organização.

4. Busque conhecimento especializado

Implementar um programa de PcD no ambiente de trabalho pode ser um pouco mais complicado para empresas que não estão acostumadas. Para essas situações, existem terceirizadas capazes de oferecer suporte.

Na prática, então, o apoio dessas empresas ajuda a aumentar a integração da pessoa com deficiência no ambiente de trabalho.

Dessa forma, elas indicam como capacitar ainda mais seus funcionários e que pontos da empresa devem ser ajustados.

5. Acompanhe o PcD e ouça seu feedback

Por fim, outra dica interessante é a de dar voz à própria pessoa com deficiência que ingressou na sua organização.

Assim como é algo novo para a sua empresa, também pode ser para ela. Ambos juntos podem criar soluções para possíveis problemas.

Conclusão sobre o PcD

Busque compreender quais são as dificuldades de integração e as barreiras que estão se apresentando.

Conjuntamente, procure passar por esses problemas, de modo que não só ajude esta PcD, como as demais que possam vir a ser contratadas. Inclua isso nas discussões da sua empresa.

Com essas dicas, a inclusão da PcD no ambiente de trabalho certamente terá mais chances de êxito. Para ver mais posts como esse, siga lendo nosso blog!

Comente

Seu endereço de e-mail não será publicado.